10 junho, 2006

Realidade Virtual: Os Vídeos do Ataque ao Pentágono

O dia 16 de Maio foi a data de estreia mundial do novo vídeo do Pentágono, onde se deveria ver um avião comercial Boeing 757 a colidir com o Pentágono na manhã de 11 de Setembro de 2001. Essas imagens foram apresentadas pelo Departamento de Justiça norte-americano no tribunal que condenou o aspirante a terrorista Zacarias Moussaoui à prisão perpétua, e mais tarde desclassificadas ao abrigo da Lei de Liberdade de Informação (Freedom of Information Act). Tinham sido requeridas pelo grupo Judicial Watch, que pretende com isso «desmistificar as teorias da conspiração envolvendo o voo 77 da American Airlines». Mas terá mesmo «desmistificado» alguma coisa?
E será que este novo vídeo foi mostrado aos Portugueses?

A versão oficial
Os atentados terroristas do 11 de Setembro, que são uma sequência de vários ataques distintos – Torres Gémeas em Nova Iorque, Pentágono em Washington, e um quarto avião desviado que alegadamente cai em Shanksville, na Pensilvânia –, estão cada um deles rodeados de uma enorme controvérsia. E o que inicialmente causou mais polémica foi justamente o ataque ao Pentágono, a sede do Departamento de Defesa dos EUA. Segundo a versão oficial, o voo 77 da companhia aérea norte-americana American Airlines é desviado por cinco terroristas islâmicos que iludem todos os sistemas de segurança do aeroporto de Washington e entram sem bilhete no avião (nenhum dos “piratas do ar” constava da lista de passageiros). Armados apenas com x-actos, neutralizam sem dificuldade a tripulação e os pilotos, alguns destes ex-militares. Tomam os comandos do Boeing 757 e conseguem manobrá-lo como profissionais, devido à enorme experiência adquirida com algumas lições de pilotagem de pequenos aviões e com a leitura de manuais de voo. Mudam de trajecto e circulam durante mais de uma hora no espaço aéreo mais controlado do planeta, sem nunca serem incomodados pela Força Aérea Norte-Americana, preparada para interceptar em poucos minutos qualquer avião desviado. Apesar de não possuírem nenhum apoio de navegação terrestre os terroristas conseguem encontrar a rota exacta para a fachada do Pentágono, executam uma curva de 330 graus a 853 km por hora, descem 2134 metros em dois minutos e meio e efectuam um voo rasante a poucos metros do solo antes de embaterem no edifício.
Incrível.
As anomalias
Mas afinal porque é que existem “teorias da conspiração”? Bem, parece que ao longo destes anos muitas pessoas depararam com milhares de incongruências na versão oficial dos atentados. Estas são as principais anomalias relativas ao Pentágono:

As primeiras perguntas
E isto é só o início das irregularidades na versão oficial dos acontecimentos, analisadas em dezenas de documentários, centenas de livros (alguns deles best-sellers) e milhares de sites. Uma das primeiras publicações foi A Terrível Impostura (L'Effroyable Imposture), escrita pelo francês Thierry Meyssan e editada no início de 2002. Tornou-se rapidamente num dos livros mais vendidos de sempre em toda a Europa. Tenho de referir que a única referência que consegui encontrar na comunicação social portuguesa sobre este fenómeno foi uma entrevista no jornal Correio da Manhã em Outubro de 2002, pela altura da publicação no nosso país. Meyssan era assim o primeiro a apresentar as principais incongruências de uma forma credível, avançando com a teoria de que o 11 de Setembro teria sido um golpe interno perpetrado pela elite norte-americana. Segundo ele, o Pentágono seria apenas uma de várias feridas auto-inflingidas, na forma de bombas colocadas no edifício ou de vários mísseis disparados pelos próprios militares norte-americanos. Em suma, uma versão americana do incêndio do Reichstag.

O primeiro vídeo
A 7 de Março de 2002, quatro dias antes da publicação d’A Terrível Impostura na Europa, uma fonte até hoje não identificada colocou a circular cinco frames de uma câmara de vigilância do Pentágono. As autoridades norte-americanas confirmaram depois que as imagens eram autênticas, e a comunicação social transmitiu-as como sendo as imagens que mostravam o voo 77 da AA a embater na fachada do edifício (elas podem ser vistas clicando aqui).
Salta imediatamente à vista um “pequeno” pormenor: não se vê nenhum Boeing 757. E uma observação mais apurada permite descobrir outras anomalias:

  • As imagens são de muito má qualidade e não permitem identificar o objecto que atingiu o Pentágono nem determinar a sua velocidade. Mas é possível verificar que as suas dimensões são muito inferiores às de um Boeing 757.
  • O objecto deixa um rasto de fumo branco, visível em todos os frames. No entanto os aviões comerciais só deixam rastos brancos a altas altitudes, e mesmo assim é necessário estarem reunidas as condições para que a água do escape se transforme em cristais de gelo. Qualquer pessoa pode ir a um aeroporto ver as descolagens e aterragens para confirmar isso com os seus próprios olhos. A formação de um rasto branco a baixa altitude e a uma distância tão reduzida do escape é uma característica dos mísseis.

O documentário Painful Deceptions, de Eric Hufschmid, foi um dos primeiros a analisar cientificamente todos os aspectos dos ataques do 11 de Setembro. Inclui um capítulo sobre o Pentágono onde apresenta as irregularidades da versão oficial de uma forma muito clara. Ele está disponível para download no site do movimento Reopen 9/11, num ficheiro de apenas 2,6 megabytes:
http://reopen911.org/video/Reopen911_part_4.wmv
Apesar de examinar apenas este primeiro vídeo, essa análise também é válida para

O segundo vídeo
Tal como referido no início deste artigo, este vídeo foi divulgado a 16 de Maio de 2006 (desta vez de uma forma oficial), juntamente com uma versão mais longa do primeiro vídeo. Fui buscar ambos directamente à fonte – o site oficial do Departamento de Defesa norte-americano:
Vídeo 1

Vídeo 2

O novo vídeo (capturado perto do outro) confirma as anomalias do primeiro, mas desta vez parece que o rasto de fumo branco foi “retocado”. É possível ver também, num dos frames, o “nariz” do objecto que embateu no Pentágono (clica na imagem para a ampliar).

Agora compara-o com o “nariz” de um Boeing 757 real, pintado com as cores da American Airlines (a imagem em baixo está invertida, a original pode ser vista aqui).

Tem em atenção as proporções do Boeing em relação ao Pentágono (clica na imagem para a ampliar).

Como poderás comprovar mais abaixo, a maior parte dos portugueses nunca viram este segundo vídeo nem o misterioso objecto que nele aparece.

Os media internacionais
Segundo a própria comunicação social, este novo vídeo serve dois propósitos. O primeiro é relembrar à população o motivo pelo qual se iniciou a chamada “Guerra contra o Terrorismo”, numa altura em que o aparelho militar norte-americano segue rumo ao Irão. O segundo é tentar pôr um travão nas “teorias da conspiração”, ou seja, todas as investigações que contradigam a versão oficial dos acontecimentos do 11 de Setembro. Mas com todas estas manobras, há por vezes alguns media que acabam por ouvir os dois lados da história. Um exemplo disso é a cobertura da BBC sobre a divulgação deste novo vídeo. A televisão britânica tentou desacreditar Loose Change (o documentário dissidente mais popular) e a curta-metragem Pentagon Strike (um vídeo em flash sobre o ataque ao Pentágono que já percorreu várias vezes o globo), mas deu também voz ao céptico Dave vonKleist, co-apresentador do programa de rádio The Power Hour e realizador do documentário 911 In Plane Site. Podes ver esta reportagem aqui:

(Para visualizar estes vídeos é necessário ter instalada a última versão do Macromedia Flash, que pode ser descarregada aqui)

A comunicação social portuguesa
Em Portugal a cobertura desta notícia (e semelhantes) limitou-se à tradução para português dos press-releases que chegaram dos EUA. Não é necessário tentar desmistificar “teorias da conspiração” num país onde não se fazem perguntas politicamente incómodas. A RTP e a SIC anunciaram nos seus noticiários a divulgação do novo vídeo, mas nunca o mostraram – apenas passaram a versão mais longa do primeiro vídeo que já tinham apresentado em 2002, cuja única novidade é mais uns segundos de… fumo. Não sei se a TVI teve a mesma atitude, porque não consegui ver o seu noticiário desse dia. Podes ver as peças da RTP e da SIC aqui:
Realidade virtual
Por coincidência a RTP anunciava na mesma altura uma semana com emissões em 3D. Uma curiosa metáfora sobre os vídeos do Pentágono, uma vez que apenas os políticos e a maior parte dos jornalistas conseguem ver neles um Boeing 757. Nós, comuns “mortais” na vida real e na blogosfera, continuamos sem ver nada conclusivo, com ou sem óculos. E continuamos com a terrível convicção de que todas estas “Guerras contra o Terrorismo”, que sacrificam milhões de seres humanos, são justificadas com base numa realidade totalmente artificial. Incluindo a próxima com o Irão, um conflito potencialmente nuclear cujas consequências são imprevisíveis.

Sites e artigos sobre o Ataque ao Pentágono:

The Attack on The Pentagon (by Leonard Spencer)

Flight 77 Dot Info

Pentagon Research


Loose Change Second Edition - No trace of Flight 77 at the Pentagon

Pentagon : Hunt the Boeing! And test your perceptions!

The Pentagon Video Fraud

New Doctored Video of Pentagon Attack Release - Confirms Boeing Was Not Involved


PENTAGON VIDEOS A FIASCO, SCHOLARS CONCLUDE

Were the Pentagon videos manipulated?

The amazing new Penta-Lawn 2000!

L’avion magique du Pentagone : épisode 2

View this article in english - Automatic translation provided by Babel Fish

Etiquetas: , , , , , , ,

|

Ligações de outros sites para este texto:

Criar uma hiperligação

<< Página principal